30 de jun de 2012

ALCATRAZ - DO ATACADO AO VAREJO







Desmurados
Algumas, das muitas imagens que flagrei na  Prisão de Alcatraz ( San Francisco- CA), e que me hibridizaram o olhar.
Estive lá como "visitante" e trouxe comigo a força do contraste entre a exuberância liberta da natureza e as dores do cativeiro, contados em verso, versinho, prosa e cenas no hoje Museu cosmopolita onde turistas de todo o mundo se acotovelam em busca da melhor foto. 
A narrativa da história, que nos chega em fones de ouvidos em todos os idiomas, enquanto desfilamos pela arquitetura prisional , não poderia deixar de ter um grande final: uma loja de souvenirs onde objetos de todo o tipo eternizam lembranças (que se deveria esquecer!) que vão desde reproduções de chaves de celas (notadamente as que abriram as portas para a grande rebelião lá havida) até o "quase nada" que restou para contar da fuga nunca esclarecida dos irmãos que desapareceram mar adentro e  baralhos com fotos e scripts dos notórios "criminosos" que fizeram a "glória" da fortaleza, dentre os quais Al Capone ocupa um lugar mitológico. É o nosso Fernandinho Beira-Mar, ambos à Beira-Mar; ou melhor, Fernandinho é o Al Capone da periferia colonial.
O capitalismo não perdoou a impressionante beleza da Ilha de ALCATRAZ, nem no ATACADO (o passado prisional, que lhe figurou a fina funcionalidade) nem no VAREJO (o presente de 1,99). 
Como pudemos construir tamanho orgulho com a mais-valia da dor? 

Por Vera Regina Pereira de Andrade